• Um relato esclarecedor e perspicaz sobre a Birmânia, no momento da passagem do autor pelo país, como acompanhante da sua mulher, numa comissão dos Médicos do Mundo. Autorretrato genial cativante e bem-humorado de um país e das pessoas que conhece durante esta estadia. Autor de Pyongyang, Shenzen e Jerusalém (Melhor Álbum do Festival de Banda Desenhada de Angoulême, 2012).
  • Pyongyang é quase uma fotorreportagem da estadia do autor na Coreia do Norte, enquanto colaborador do Estúdio de Animação SEK (Scientific Educational Korea). As histórias, ilustradas de forma simples mas bastante pormenorizada, apresentam com ironia e bom humor os paradoxos de uma sociedade em negação.
  • Com um paladar requintado, mas que aprecia também os pratos mais simples, o Gourmet Solitário deambula pelos restaurantes, em zonas populares e outras mais recônditas ou menos bem frequentadas. Em cada uma das histórias deste livro acompanhamos o personagem na degustação de pratos japoneses, que lhe despertam emoções, pensamentos… e nos transmitem, com alguma nostalgia e um prazer profundos, os ambientes de uma cultura e da sua gastronomia.
  • Drama

    14,99
    Callie é a cenógrafa do musical de primavera da sua escola, e está decidida a criar um cenário digno da broadway. Mas com o drama criado após a escolha dos atores tanto no palco como fora dele, o caminho até à noite de estreia promete ser longo!
  • No final da II Grande Guerra, é ordenado aos soldados de uma companhia da infantaria japonesa que morram em honra do seu país ou serão executados no regresso da batalha. "Marcha para a Morte!", baseado em factos reais e na experiência do autor enquanto soldado, relata as consequências devastadoras deste acontecimento para a moral dos soldados. A narrativa poderosa e pungente traduz de forma compassiva as circunstâncias difíceis e caóticas, numa declaração de Mizuki contra a futilidade da guerra e a estupidez da mentalidade militar.
  • Uma história sobre três jovens, Piero, Lucia e Nicola, ilustrada com tons quentes e frios, cores quer vibrantes quer sombrias, cuja alternância traduz as distâncias entre os personagens que habitam este livro: os 5000 Quilómetros que os separam, num espaço e tempo de fugas e reencontros, apenas sugerido. Somos surpreendidos com toda esta luz que nos inunda o olhar e se reflete no prazer de seguir uma narrativa expressionista, ou apenas contemplar as belas aguarelas de um autor essencial. Prémio Melhor Autor – Lucca Comics, 2010 Prémio Melhor Álbum, Fauve d’Or – Festival de BD de Angoulême, 2011 Prémio Micheluzzi, Melhor Banda Desenhada – Comicon 2011
  • Do Inferno

    39,99
    A história de Jack o Estripador, onde se detalha os eventos que levaram aos assassínios e o posterior encobrimento dos mesmos. O livro combina uma investigação meticulosa com especulação informada e o resultado é uma obra-prima de ficção histórica tão convincente como aterradora.
  • Nonnonba

    Nonnonba

    24,99
    Um relato baseado na infância do autor em que a avó (Nonnonba, personagem que dá título ao livro) lhe transmitiu algum do misticismo e temor em relação ao mundo dos espíritos, os yokai (entidades misteriosas e sobrenaturais da tradição medieval japonesa). Os ambientes fantásticos e as ilustrações pueris, valeram a Mizuki a sua reputação como contador de histórias. PRINCIPAIS DISTINÇÕES:
    • 1996: Inauguração da rua Shigeru Mizuki em Sakaiminato, decoradacom estátuas das personagens de Kitaro.
    • 2003 Troféu Especial do Prémio Cultural Osamu Tezuka, pelo conjunto da sua obra.
    • 2007 Fauve d’Or para Melhor Álbum por “NonNonBá”, Festival Internacional de BD de Angoulême, França.
    • 2012 Prémio Eisner para Melhor Edição Americana de Material Internacional – Ásia com “Onward Towards Our Noble Deaths”.

Go to Top