André Pinto Teixeira

Cerejeiras na Primavera

No Japão, cada estação do ano está associado a uma série de costumes que são praticados ainda hoje. No caso da Primavera, falamos da tradição de observar as flores de cerejeira (桜 sakura), a que se dá o nome de hanami (花見). Habitualmente, a época de hanami decorre entre os meses de Março e Maio, seguindo o ritmo de crescimento das flores desde a ponta sul de Kyūshū até à extremidade norte de Hokkaidō, cada parte do território com seu clima particular.  

A reverência nipónica pela flor de cerejeira tem a sua origem no período Heian (794-1185 d.c.), uma época histórica caracterizada pela prolificidade artística da corte aristocrática. As flores de cerejeira são caracterizadas pelas suas pétalas de coloração e forma delicadas, mas também pela sua efemeridade. É exatamente por esse motivo que ganharam um lugar especial na estética japonesa, personificando a natureza transitória dos fenómenos, das coisas e, por extensão, da vida humana. Este conceito de efemeridade de acordo com o pensamento japonês denomina-se mono no aware (物の哀れ, ou a tristeza das coisas) e pode ser encontrado como substrato de obras clássicas como O Conto de Genji, de Murasaki Shikibu (978?-1031?), ou a poesia de Kobayashi Issa (1763-1828).

Nos dias de hoje (em contexto pré-pandémico), é tradição ver as flores de cerejeira em grupo, seja em família, com colegas de escola ou trabalho, ou amigos. Na prática, “apreciar as cerejeiras” consiste em sentar-se sob a copa das cerejeiras enquanto se bebe (álcool, no caso de quem tem mais de vinte anos), come e conversa. Mais do que uma prática de reflexão filosófica, o hanami moderno é essencialmente uma ocasião de convívio e uma forma positiva de assinalar o novo ano escolar, académico e fiscal que se inicia todos os anos no 1º de Abril.

Onde ver as cerejeiras? Recomendações:

Tóquio: Nakameguro 中目黒, Waseda 早稲田 (Shinjuku)

Quioto: Parque de Yodogawa-Kasen  淀川河川公園

Niigata: Toyanogata鳥屋野潟, Ribeira de Yasuragi やすらぎ提, Parque de Takada 高田公園