André Pinto Teixeira

Semana Dourada

No Japão, a última semana de Abril e primeira semana de Maio é, provavelmente, o período mais antecipado do ano. Uma densa concentração de feriados propicia a um grande número de trabalhadores o período de férias mais longo do ano. Devido ao potencial económico deste período, que representa igualmente uma das épocas mais atarefadas para os trabalhadores e indústria dos serviços, veio a ser apelidada pelo produtor de cinema Hideo Matsuyama como Semana Dourada (Golden Week ゴールデンウィークou GW) por analogia ao horário nobre da rádio nos anos 50.

A Golden Week nos seus moldes atuais consiste na concentração dos seguintes feriados:

– 29 Abril: Dia do Imperador Shōwa (昭和の日)

– 3 Maio: Dia Memorial da Constituição (憲法記念日)

– 4 Maio: Dia Verde (entenda-se, da Natureza e Espaços Verdes) (みどりの日)

– 5 Maio: Dia da Criança

Quando um trabalhador japonês solicita férias pagas nos restantes dias entre 29 de Abril e 5 de Maio, pode então usufruir de um período de férias mais prolongado do que o comum. Há que fazer a ressalva que, no Japão, muitas empresas apenas atribuem dez dias de férias pagas por ano fiscal, sendo comum muitas pessoas espaçarem o uso dessas férias ao longo do ano. Por lei, todos os trabalhadores são obrigados a solicitar o uso de pelo menos cinco desses dias, uma vez que, tradicionalmente, um elevado número de trabalhadores prescindia até mesmo desse direito, fosse por dedicação pessoal ao seu emprego ou por pressão interna para não fazer pleno uso desse mesmo direito.

Embora um grande número de trabalhadores japoneses usufrua deste período de férias prolongadas, aproveitando, em circunstâncias normais, para viajar doméstica ou internacionalmente, os trabalhadores da indústria dos serviços dão por si inversamente mais atarefados do que em outros períodos. Habitualmente, essa desigualdade entre quem usufrui de férias e quem tem de trabalhar nos feriados seria acomodada pela complexa relação económica entre o consumidor e o trabalhador japoneses. Contudo, em contexto pandémico, e com o decretar, pelo primeiro-ministro Suga, de um estado de emergência que vigorará até 11 de Maio, afetando toda a Semana Dourada, é expectável que um vasto número de trabalhadores dos serviços seja forçado a interromper as suas atividades laborais sem expectativas de auferir vencimento. A Golden Week de 2021, ao contrário de em anos passados, será, de certa forma, uma ocasião para alumiar as discrepâncias socioeconómicas que estratificam discretamente a sociedade japonesa contemporânea.”