• Habibi

    39,99
    A história de Dodola e Zam, duas crianças escravas ligadas uma à outra pelo acaso, pelas circunstâncias e pelo amor que cresce entre elas. Seguimo-las enquanto lutam para criar o seu lugar num mundo alimentado pelo medo, luxúria e ganância. Ao mesmo tempo contemporânea e atemporal, Habibi é uma parábola sobre a nossa relação com o mundo natural, a divisão cultural entre o primeiro e o terceiro mundos, a herança comum do Cristianismo e do Islamismo, e, mais poderosamente, a magia de contar histórias.
  • Irmãs

    14,99
    Uma história real sobre crescer… com uma irmã. Com o seu humor e encanto habituais, Raina conta-nos a história da sua relação com Amara, a irmã mais nova. Uma relação turbulenta, que vamos conhecendo pouco a pouco, durante uma longa viagem de carro desde a Califórnia, onde vivem, até ao Colorado, para uma reunião familiar.
  • Século

    Uma história épica que se desenvolve em três capítulos – 1910, 1969 e 2009, tendo início logo após o terceiro volume de A Liga de Cavalheiros Extraordinários. Às personagens de Allan Quatermain, Capitão Nemo, Mina Harker, juntam-se outras provenientes de livros de autores como W. Somerset Maugham e Iain Sinclair. Cada capítulo de Século é acompanhado por um episódio de Os Sicários da Lua, escrito em estilo de ficção ciêntífica dos anos 60, onde Alan Moore, adopta o pseudónimo de John Thomas.
  • No final da II Grande Guerra, é ordenado aos soldados de uma companhia da infantaria japonesa que morram em honra do seu país ou serão executados no regresso da batalha. "Marcha para a Morte!", baseado em factos reais e na experiência do autor enquanto soldado, relata as consequências devastadoras deste acontecimento para a moral dos soldados. A narrativa poderosa e pungente traduz de forma compassiva as circunstâncias difíceis e caóticas, numa declaração de Mizuki contra a futilidade da guerra e a estupidez da mentalidade militar.
  • Nonnonba

    Nonnonba

    24,99
    Um relato baseado na infância do autor em que a avó (Nonnonba, personagem que dá título ao livro) lhe transmitiu algum do misticismo e temor em relação ao mundo dos espíritos, os yokai (entidades misteriosas e sobrenaturais da tradição medieval japonesa). Os ambientes fantásticos e as ilustrações pueris, valeram a Mizuki a sua reputação como contador de histórias. PRINCIPAIS DISTINÇÕES:
    • 1996: Inauguração da rua Shigeru Mizuki em Sakaiminato, decoradacom estátuas das personagens de Kitaro.
    • 2003 Troféu Especial do Prémio Cultural Osamu Tezuka, pelo conjunto da sua obra.
    • 2007 Fauve d’Or para Melhor Álbum por “NonNonBá”, Festival Internacional de BD de Angoulême, França.
    • 2012 Prémio Eisner para Melhor Edição Americana de Material Internacional – Ásia com “Onward Towards Our Noble Deaths”.
  • Com um paladar requintado, mas que aprecia também os pratos mais simples, o Gourmet Solitário deambula pelos restaurantes, em zonas populares e outras mais recônditas ou menos bem frequentadas. Em cada uma das histórias deste livro acompanhamos o personagem na degustação de pratos japoneses, que lhe despertam emoções, pensamentos… e nos transmitem, com alguma nostalgia e um prazer profundos, os ambientes de uma cultura e da sua gastronomia.
  • Nestas páginas com um estilo introspectivo e intimista, Jiro Taniguchi dá-nos a conhecer O homem que passeia, através das suas deambulações, frequentemente mudas e solitárias, através da cidade onde reside. Uma história que se distancia dos estereótipos habituais do mangá, onde se sucedem pequenas histórias sem diálogo, encontros ocasionais, o prazer da contemplação e de andar sem destino.
  • Pyongyang é quase uma fotorreportagem da estadia do autor na Coreia do Norte, enquanto colaborador do Estúdio de Animação SEK (Scientific Educational Korea). As histórias, ilustradas de forma simples mas bastante pormenorizada, apresentam com ironia e bom humor os paradoxos de uma sociedade em negação.

Não há plugins para instalar ou ativar. <a href=" %1$s"title="Voltar para o Painel">Voltar para o Painel</a>

Go to Top